sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

São Nicolau, o verdadeiro Papai Noel começou a ser cultuado na Idade Média


De tão deturpado, esqueceu-se sua maravilhosa origem. Pois Papai Noel tem na sua fonte um homem de carne e osso, um bispo da Santa Igreja, um santo de altar!

Foi São Nicolau, bispo de Myra, na ilha de Gemile, hoje no largo da Turquia.

Ele faleceu rodeado de fama de santidade no ano de 326.

Conta a tradição que o piedoso bispo soube de um pagão que tinha três filhas mas não tinha dinheiro para casá-las bem. Então decidiu — como aliás não era raro entre certos pagãos — vendé-las ou alugá-las para a prostituição, após as festas cristãs do Natal.

Podemos imaginar quão lúgubre foi aquela noite de Natal para as pobres moças.
Porém, o bispo São Nicolau soube do acontecido.

Jeitosamente, na calada da noite, jogou pela janela tres sacolinhas com dinheiro aos pés do leito de cada uma delas.

No dia seguinte, elas amanheceram com o presente e a certeza de que poderiam fazer um bom casamento.

A tradição não é só verbal. Acontece que nos tempos das Cruzadas, os piratas muçulmanos devastavam as cidades cristãs junto ao mar. Myra sofreu essa cruel sorte.

Para salvar as reliquias do santo bispo, marinheiros católicos as trasladaram para Bari no sul da Itália.

E São Nicolau hoje é mais conhecido como São Nicolau de Bari e é representado com três saquinhos na mão em lembrança do famoso milagre.

Em 1993, arqueólogos intrigados foram a vasculhar a ilha de Gemile. Queriam saber qual catástrofe ecológica a tornara deserta.

Os cientistas encontraram as ruínas de um centro de peregrinações composto de quatro igrejas, um caminho processional e uma quarentena de prédios em torno do primeiro túmulo de São Nicolau.

Nos restos das paredes acharam pintada em várias formas a história de São Nicolau e as moças, além de muitos outros milagres natalinos que o santo foi praticando na Idade Média.


Os ex-votos testemunhavam que a tradição dos presentes de Natal para as crianças (e também para os adultos em forma de graças e auxílios sobrenaturais e até materiais) é bem verdadeira.

A grosseira deturpação hodierna de São Nicolau não desqualifica em nada a maravilhosa tradição medieval.

Se em vez do laicizado Papai Noel, os homes tivessem devoção a São Nicolau não obteriam presentes espirituais e até materiais que enchem a alma, portadores de imponderáveis e bençãos de que a humanidade perdeu a lembrança?

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

domingo, 2 de dezembro de 2007

Abolido resto medieval, a calma abandonou Claraval


Claraval (MG) tem 4.500 habitantes que, até há pouco, desfrutavam algo da tranqüilidade da Idade Média. Casas, chácaras e outras terrenos pertenciam ao Mosteiro de Nossa Senhora do Divino Espírito Santo. O que corresponde ao imposto territorial (IPTU) era pago com um dia de trabalho — cerca de R$ 20,00 — dedicado à Abadia Territorial de Claraval.

Em 1869, o casal Francisco Garcia Lopes e Maria Rita do Espírito Santo doou 40 alqueires para a Capela do Divino Espírito Santo das Canoas, e em 1948 a área passou para o regime de enfiteuse — sistema típico da era medieval.

O novo Código Civil, contudo, extinguiu tal sistema. Agora, aos sábados, uma advogada tenta resolver litígios na praça central. A prefeitura acusa o bispo de ganancioso, por tentar vender os lotes, e a diocese qualifica a prefeitura de eleitoreira. Extinguiu-se assim esse vestígio de calma medieval, e os pesadelos modernos passaram a infernizar a vida dos habitantes do município.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Igrejinha medieval é transladada na Alemanha

Clip da translação (TV espanhola)
videoA igrejinha medieval de Heuersdorf, aldeia da Saxônia (Alemanha) foi mudada integra à localidade vizinha de Borna, a 12 quilômetros de distância (foto). A descoberta de uma importante jazida sob Heuersdorf tornou inviável morar no local. A população aceitou se mudar mas fez questão de salvar a capela de estilo românico construída há mais de 750 anos — a mais antiga da Saxônia.

Realizou-se assim um feito tecnológico: o templo de 1.000 toneladas foi trasladado completo sobre imensa plataforma de concreto e aço, puxada por vários caminhões à velocidade “de passo humano”, sobre um calçamento especialmente concebido para a ocasião. O operativo envolveu 200 funcionários e custou milhões de euros. O amor à tradição prevaleceu, e a técnica se pôs a serviço de uma pequena jóia da Idade Média.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Santa Sé anuncia absolvição dos Templários, ordem que está nas origens do Brasil



A Santa Sé anunciou a publicação de um documento pontifício que absolve a Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão, ou Templários, dos cargos que lhe foram imputados. Esta ordem militar de cavalaria foi fundada em Jerusalém em 1118, nos tempos das Cruzadas, por Hugo de Payens e Geoffroy de Saint-Omer e companheiros. Ela protegia os peregrinos que iam a Terra Santa.

Túmulo de templários. Temple Church, Londres

O templários tornaram-se lendários pela sua fé e coragem no campo de batalha. Criaram hospitais gratuitos de uma organização e esplendor famosos para romeiros e pobres. Sua Regra foi ditada pelo grande São Bernardo. Sua divisa foi: “não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Vosso nome dai a glória”. O nome de Templários vem do fato de eles terem erigido suas primeiras instalações no local onde esteve o Templo de Salomão.

Capela templária do Convento de Cristo, Tomar, Portugal

Os cristãos deram donativos com largueza para as obras da Ordem. A aureola de prestígio e de coragem que rodeava a Ordem, mais sua importância material, suscitou a inveja de reis e potentados picados pela mosca da Revolução contra a Igreja e a Civilização Cristã.

Em 13 de outubro 1307, o rei Felipe o Belo, da França, que haveria de morrer excomungado, fechou todas as sedes da Ordem, expropriou seus bens e promoveu processos contra ela. Acusava-a de adorar o demônio, praticar a homossexualidade, blasfêmia e heresia. O exemplo de Felipe o Belo foi seguido por outros reis, exceção feita, do de Portugal.

Os cavaleiros que fugiram da prisão, cárcere e torturas, refugiaram-se em terras portuguesas. O último Grão-Mestre foi queimado em Paris. (foto)

Felipe o Belo (foto) aduzia uma carta do Papa Clemente V. Mas, agora, o Vaticano afirma ter achado documento do mesmo Papa Clemente V exonerando a Ordem de toda culpa. A publicação ocorrerá sob os auspícios dos Arquivos Secretos do Vaticano e da fundação italiana Scrinium.

Muralhas de Tomar e Convento de Cristo, Portugal

Segundo o historiador medievista Franco Cardini, um dos responsáveis pela edição, “a prerrogativa do Papa (Clemente V) era a de dissolver a ordem, mas ele nunca a condenou”. Cardini acrescenta que o documento achado “testemunha que o Pontífice não a considerava herege”.

A verdade é que se os Templários tivessem continuado existindo teriam sido grave obstáculo à Revolução gnóstica e igualitária que depois jogou o mundo no caos.

Muitos grupelhos ou associações obscuras tentaram durante séculos se apropriar da aureola de prestígio dos Templários, e abusaram do seu nome. De fato, nenhuma associação hoje existente sob o rótulo de Templários ou Templo é autêntica continuadora da genuína Ordem do Templo extinta no século XIV.

Os últimos remanescentes da Ordem do Templo foram a base da Ordem de Cristo criada por Dom Dinis, rei de Portugal. Foram esses cavaleiros que descobriram o território brasileiro e tiraram o Brasil do nada.

Se houve uma “vingança dos templários” ela consistiu em trazer à luz a nação hoje com a maior população católica da Terra, o Brasil, dotado de uma vocação providencial.

Os herdeiros espirituais de Felipe o Belo, entretanto, tentam enlamear e degradar o Brasil para que ele não cumpra essa missão histórica.

Veja o clip da BBC

Fortaleza templária, La Couvertoirade, França.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Idade Média: floresta repleta de símbolos


Para a Idade Média o universo era um livro imenso, escrito pela própria mão de Deus, onde cada ser era uma palavra cheia de significado.

Para o medieval o ignorante apenas olha e vê figuras para se instruir. O sábio se eleva das coisas visíveis às invisíveis. Na natureza ele lê o pensamento de Deus.

A ciência não consistia então em estudar as coisas em si mesmas, mas em penetrar os ensinamentos que Deus nelas pôs para nós homens.


Era assim que o medieval caminhava, numa floresta repleta de símbolos, sob um céu povoado de idéias, iluminado pela luz de Cristo, abençoado pela sua graça, sob o manto maternal da Virgem Mãe de Deus.

Veja exemplos:


Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Do fundo da Idade Média vem uma esperança de decifrar as mudanças climáticas

A terra está super-aquecendo ou não? É culpa do homem ou não? Trata-se de câmbios cíclicos da natureza ou não?

Abandonamos a civilização e vamos ao mato para viver como índios, como querem os ecologistas fanáticos? Ou arrasamos com florestas e a natureza sem pensar muito?

Neste ponto, os cientistas deveriam dar a palavra decisiva. Mas eles estão em desacordo. Há os “apocalípticos” que dizem que Rio de Janeiro afunda lá pelo 2050 ou pouco mais.

Há os dizem que o alarmismo ecológico é obra de ex-comunistas à procura de um engajamento anti-ocidental e anti-capitalista.

A disputa poderia se resolver se houvesse dados objetivos recolhidos com um recuo de tempo suficiente para fundamentar as hipóteses. Mas, quem têm esses dados?

Os cientistas não. Porque as medições começaram no século XIX, as que começaram cedo... Faltam as medições de dimensão histórica exigidas pelo caso.

Monge restaurador, Monte Olivetto

Então?

Então cientistas foram procurar nas abadias medievais! E quanto mais antigas melhor!

Foi o caso do mosteiro de Einsielden (foto acima), nos Alpes suíços, onde os monges escrevem diários desde a Idade Média registrando as condições meteorológicas da região.

A América não estava descoberta e os monges anotavam escrupulosamente as mudanças do clima, vento e umidade...

Por quê? Para o quê? Por amor da sabedoria, por fidelidade à Regra, por participarem desse sonho inspirado pelo Espírito Santo que hoje nós chamamos de Idade Média e que foi a realização numa certa época da Cristandade.

Einselden, fonte da Virgem

Assim era a sabedoria beneditina que inspirou a Idade Média. Toda feita de fé, regra e bom senso, ordem, método e unção, produzindo resultados abençoados em todos os campos em que ela se aplicava.

E recolhendo resultados que nem eles imaginavam, como resolver o destino do século XXI.

O mosteiro beneditino de Einsielden nasceu em 934, no coração da Suíça.

Durante 600 anos foi a sede do governo regional. Controlou a área de Zurique, hoje um dos principais centros financeiros do mundo.

Nos registros lê-se detalhes como volume de chuva, tempo de sol, tamanhos de nuvens, comportamento das árvores, frutas e cultivos e ainda as reações das pessoas aos diferentes climas.

A acuidade e credibilidade dos monges é tal que até hoje o serviço meteorológico suíço confia neles para a coleta dos dados da região.

Não os escrevem mais com pena de ganso em pergaminho, mas num laptop para transmití-los ao governo.
Monges matemáticos


Monges medievais conhecidos por Deus, registraram os dados que podem ajudar o século XXI a determinar o rumo do planeta numa escolha que, se mal feita, pode dar, aí sim, na maior catástrofe da história.

Quem mostrou ter mais sabedoria: o monge medieval, o cientista profissional ou o ecologista aloucado?


São Bento preside refeição
Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

As catedrais coloridas da Idade Média



As catedrais medievais eram todas pintadas de cores e até folhadas a ouro em certas partes. Agora, nas noites de verão, a tecnologia volta a "pintar" a catedral de Amiens como era nos dias de seu esplendor. VEJA A CATEDRAL COLORIDA

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

sábado, 18 de agosto de 2007

Empresários alemães vão a mosteiros para haurir algo da paz e da ordem da Idade Média


“Der Spiegel”, grande semanário alemão, publicou reportagem sobre os empresários germanos que, estressados pela vida de negócios, procuram abadias para imergir na paz e no equilíbrio da atmosfera da Idade Média.

Jan F., 37, jovem executivo da montadora DaimlerChrysler, por exemplo, entrou na cela monacal como que viajando no túnel do tempo: apenas uma cama pobre, uma mesa austera, uma simples cadeira e um livro de salmos. Nada a ver com os hotéis que ele freqüenta. Seu primeiro gesto?: desligar o celular...

Não foi só ele, foram mais 15 empresários. Em outros mosteiros um frade recolhe os celulares na porta de entrada. Jan F. e seu grupo de executivos largaram videoconferências e apresentações de PowerPoint durante sua volta à Idade Média, no estilo monacal. Eles chegaram lá por uma estrada que atravessa uma escura floresta.
A tendência é tão forte que até os protestantes — avessos ao monasticismo — montaram hospedagens imitando os mosteiros católicos, para lucrar com ela... “A demanda está fazendo explodir nossos mosteiros” diz Margot Käßmann, bispo luterano de Hanôver. Mas lhes falta transcendência espiritual e é disso que sentem falta os estafados empresários e homens de negócios.

A abadia católica de Andechs, pelo contrário, é mais espiritual e atraente. Tem também uma fábrica de cerveja.

Michael T., disse que os jovens gerentes da DaimlerChrysler “estavam horrorizados pelo modo como seu estilo de vida estava transformando suas personalidades”. Agora toda sexta-feira, um grupo de empregados da Volkswagen dedica uma hora e meia para fazer sua meditação. “Parece que São Bento — comentou “Der Spiegel” — tem sua parte na montagem de um Golf nos nossos dias”.

E se o mundo nunca tivesse abandonado a sabedoria e a ordem, a força e o empuxe, a grande paz que emanava das abadias da Idade Média, nosso progresso não teria sido mais autêntico? Tal vez maior e melhor? Sem as neuroses, os desequilíbrios, os desesperos, a falta de rumo que muitos sofrem hoje? Ordem espiritual e ordem material estariam em feliz concórdia, seguindo o famoso ditado “Ora et labora” de São Bento, Patriarca do Ocidente.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

domingo, 5 de agosto de 2007

Gobelins: instituição aristocratizante festeja 400 anos

A célebre Manufacture des Gobelins de Paris festeja 400 anos, produzindo tapeçarias admiráveis (foto). Neste aniversário, ela expõe excepcionalmente algumas das suas mais belas peças tecidas com fios de ouro e prata. A origem da Manufacture des Gobelins se remonta ao século XIII, de tapeceiros dos Países Baixos instalados em Paris. Mas a Manufacture só tomou esse nome sob o rei Henrique IV, no século XVI. Em 1937 ela uniu-se ao Ostel du Roy, que desde o século XIII fazia móveis para os servidores do rei. Hoje a instituição fornece as mais requintadas peças de decoração para os grandes órgãos públicos. A existência de instituições de espírito aristocratizante, como a Manufacture des Gobelins, é um saudável vestígio da França monárquico-aristocrática de séculos atrás, ainda vivo na atual França igualitária nascida da Revolução Francesa.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

Arquiteto americano elogia Notre Dame de Paris, jóia da Idade Média


No best-seller Ugly as Sin — Feias como o pecado — Michael S. Rose, jovem arquiteto americano, doutor em Belas Artes pela Brown University (EUA) apresenta a catedral Notre Dame de Paris como a jóia-da-coroa da Cidade Luz, o verdadeiro epicentro, a alma da capital francesa.
Solene e maternal, ela irradia sua influência a partir da Île de la Cité, como uma grande dama a partir do palácio, no centro do seu feudo.

Ela é a representação do Cristianismo na sua totalidade: desde o império universal de Nosso Senhor Jesus Cristo até os sofrimentos dos precitos no inferno.
Nela, o peregrino percebe a luta entre o bem e o mal, entre o sagrado e o profano, entre o eterno e o passageiro.
Notre Dame, insiste Michel Rose, é arte no sentido mais nobre do termo, é arquitetura da mais alta classe, um “lugar sagrado” que espelha as realidades eternas. Ela é, antes de tudo, a casa onde Deus habita na Terra. Assim a Idade Média via Deus.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

Simbolismo medieval da nave: Arca da Salvação, maternidade da Igreja


O nártex (vestíbulo sob o coro) é o primeiro espaço sagrado da casa de Deus. Também é conhecido como galilé, porque dali parte a procissão que, no início da Missa, dirige-se até o altar, simbolizando a jornada de Cristo desde a Galiléia até Jerusalém, rumo ao sacrifício do Calvário.
No nártex, a água benta lembra o batismo, a necessidade do perdão dos pecados, e tem efeito exorcístico sobre o demônio e as tentações.
A nave encarna a “Arca de Salvação”. A Igreja, Ela própria, é essa arca, a Barca de Pedro. Simboliza também o seio materno, pois a Igreja gera as almas para o Céu.

Ela é ainda imagem do Corpo Místico de Cristo posto a serviço de sua cabeça: Deus Nosso Senhor. Um famoso diagrama da Idade Média coloca o Crucificado sobre a planta de uma igreja típica. Sua divina cabeça repousa no presbitério, os braços no transepto, o corpo e as pernas na nave. As colunas da nave representam os Apóstolos, e as colunas do cruzeiro simbolizam os quatro Evangelhos.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

sábado, 4 de agosto de 2007

Idade Média: igrejas que eram Evangelhos de pedra



A fachada é o rosto da igreja. Ela evangeliza, ensina, catequiza.
Na Idade Média, bastava ao catequista explicar o significado das inúmeras estátuas e cenas entalhadas na pedra, para dar aulas perfeitas sobre as verdades fundamentais da fé, as virtudes e os vícios opostos, a História Sagrada, a ordem do Universo, a hierarquia das ciências, etc.

No coração da fachada de Notre Dame encontra-se a rosácea. Ela forma a coroa da Santíssima Virgem.

A rosa é emblema de Nossa Senhora. Na Idade Média, quase todas as catedrais foram dedicadas à Mãe de Deus.

A rosácea é denominada “olho de Deus”, porque antecipa a visão beatífica. Representa também a perfeição, o equilíbrio e a harmonia da alma purificada, que se prepara para ingressar no Reino Celeste eternamente.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

domingo, 29 de julho de 2007

Mont Saint-Michel recupera seu sacral e sublime isolamento



O monte Saint-Michel na Idade Média era chamado Saint-Michel du Mont du Péril: São Miguel do Monte do Perigo. Sua agulha toca o Céu. Rodeiam-na areias movediças e marés furiosas que sobem metros e em instantes engolem os viajantes. O mosteiro era tido residência do próprio São Miguel Arcanjo. Quem ainda lá vai, num dia de poucos turistas, pode sentir sobrenaturalmente o bater das asas do chefe das milícias celestes.
Céus e mar; tempestades e mistério; monges e cavaleiros; cruzes, relíquias e espadas: o Mont Saint-Michel é um cântico da fé e do heroísmo.
Clique para ampliar
Odiado pela Revolução Francesa, foi transformado em vil prisão. O crime repugnou ateus famosos. Uma ponte e uma barragem forçaram a sedimentação de areia e lama e uniram a ilha-abadia e fortaleza à terra.
O efeito causou horror. Mais. A saudade da incomensurável grandeza sacral dessa jóia medieval feria a alma francesa. Afinal o governo laicista entregou os pontos. Hoje, 29.7.2007, "Le Monde" informa que ele ordenou a demolição de pontes e barragens e a aplicação de 200 milhões de euros para devolver ao Monte do Príncipe das Legiões Celestes a sua altaneira e majestosa alteridade em relação ao continente. Nesta disputa com a modernidade, acabou ganhando a Idade Média!
Clique para ampliar visão noturna

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Restos medievais na Justiça dividem ingleses


Os juízes das varas cíveis de Inglaterra e Gales ficaram proibidos de usar as tradicionais perucas brancas e capas vermelhas e douradas que datam do século XVIII.
O pretexto foi economizar US$ 600.000, cifra diminuta dentro dos mastodônticos orçamentos públicos e comunitários.
A exceção por agora tolerada será a dos juízes de distrito e das Cortes Reais. Os juízes das varas criminais também não aceitaram, pois, com bom senso aduziram que a peruca põe em realce a dignidade dos julgamentos. O premio da inépcia foi ganho pelo lord socialista de Justiça, Charles Phillips. Para ele perucas e capas transmitiam uma imagem de respeitabilidade “totalmente alheia à realidade e envolta em tradições desnecessárias”.
Na verdade, capas e perucas, que não eram medievais, perpetuavam a imensa dignidade, esplendor e respeitabilidade com que a ordem medieval rodeou o ínclito Poder Judiciário. Perceberam bem isso os ativistas de esquerda que infiltram esse augusto Poder para abusar de suas atribuições e impor reformas que a sociedade não quer. A força que a Idade Média comunicou às instituições cristãs foi tal que em pleno III milênio ainda se polemiza em torno dela.

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

Moeda medieval, a mais estável em séculos


No dia de hoje os jornais anunciam que o real e o peso argentino se sobrevalorizam face ao dólar. Poucos anos atrás naufragavam. O euro se desvalorizaa facee à moeda americana, mas até pouco todos clamavam que o euro estava nas nuvens.

Nos EUA não pára a berrina contra o dólar que eles acham "débil", mas Washington gosta assim mesmo. Na Europa o euro "forte" arrebenta a competividade das empresas. Xinga-se o yuan chinês supervalorizada, esperneia-se contra o yen japonês. A ciranda universal não sossega nem para cima nem para baixo, nem na estabilidade.

Amanhã mídia e especialistas falarão o contrário de hoje. E depois de amanhã o contrário do contrário, enquanto correm trilhões de um mercado a outro como fluxos de lava furiosa. Ninguém acha investimento rentável sossegado.

Entretanto, houve ao menos uma moeda que varou os séculos nimbada de prestigio: o luis de ouro medieval!

São Luís IX, Rei da França, viveu no século XIII e alcançou tal prestígio, que até hoje se encontram com facilidade moedas de ouro cunhadas com sua efígie, sempre bem cotadas.

O povo as respeitava e guardava como se fossem medalhas religiosas, quase como relíquias! Por isso ainda há em abundância. O reinado do soberano cruzado, contudo, teve lugar há 700 anos!

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email

quarta-feira, 25 de julho de 2007

A Igreja sagra Carlomagno imperador e reergue a cultura


A Igreja instituiu, na ordem temporal, o Sacro Império Romano Alemão na pessoa de Carlos Magno, rei dos francos. Ele deu um impulso incomparável à educação e às artes. Nessa obra educadora sobressaiu Alcuíno [foto 4], conselheiro íntimo de Carlos Magno, pupilo de São Beda, o venerável, e abade do mosteiro de Saint Martin em Tours. Falando da biblioteca de sua abadia em York, Alcuíno menciona obras de Aristóteles, Cícero, Lucanus, Plínio, Statius, Trogus Pompeius e Virgílio.


Alcuíno apresenta manuscritos a Carlos Magno

O bem-aventurado Papa Vítor III, que foi abade de Montecassino, na Itália, patrocinou a transcrição de obras de Horácio, Sêneca e Cícero. Santo Anselmo, quando abade de Bec, na Inglaterra,recomendava Virgílio e outros clássicos a seus estudantes, mas prevenia-os contra as passagens imorais. Num exercício escolar de Santo Hildeberto, encontramos excertos de Cícero, Horácio, Juvenal, Persius, Sêneca, Terêncio e outros. Santo Hildeberto, aliás, conhecia Horácio praticamente de memória.
Minúscula carolíngia

Inovação material decisiva foi a minúscula carolíngia. Antes dela os manuscritos não tinham minúsculas, pontuação ou espaços em branco entre as palavras. A minúscula carolíngia, com sua “lucidez e sua graça insuperável, apresentou a literatura clássica num modo que todos podiam ler com facilidade e prazer” (p. 14). O medievalista Philippe Wolff equipara este desenvolvimento à invenção da imprensa.

O fácil acesso ao latim abriu as portas ao conhecimento dos Padres da Igreja e dos clássicos greco-romanos. Pois é mito falso que os grandes autores da Antiguidade só vieram a ser resgatados pela Renascença, época histórica que iniciou o multissecular processo revolucionário que em nossos dias atingiu um clímax.

Lord Kenneth Clark mostrou que “só três ou quatro manuscritos antigos de autores latinos existem ainda; todo nosso conhecimento da literatura antiga se deve à coleta e cópia que começou sob Carlos Magno, e quase todo texto clássico que sobreviveu até o século VIII sobrevive até hoje!” (p. 17).

Desejaria receber atualizações gratuitas de "Glória da Idade Média" em meu email